terça-feira, 30 de Junho de 2009

1415. NERVOSEIRA

A política tomarense fervilha de movimento. Os novos independentes desdobram-se em actividade. Os velhos independentes encolhem-se em desilusões. O PS vai penando, agora mudo! Já o PSD, aflito como sempre, mandou chamar António Paiva para tentar segurar o desastre de Corvelo de Sousa, nestes meses em que não querendo, lhe tomou o gosto. À esquerda, sonha-se com a aniquilação total do PS tomarense. CDU e Bloco, propõem coligações pela frente, mas preparam-se para absorver o que resta do PS local no segredo dos seus gabinetes...

segunda-feira, 29 de Junho de 2009

1414. MAIS PATRIMÓNIO MUNDIAL DA UNESCO

A mansão Stoclet, na Bélgica, as ruínas de Loropení, no Burkina Faso, o centro histórico da Ribeira Grande, em Cabo Verde, o monte Wutai, na China, o sistema hidráulico de Shushtar, no Irão, a montanha sagrada de Sulaiman-Too, no Quirguistão, a cidade sagrada de Caral-Supe, no Peru, os túmulos reais da dinastia Joseon, na Coreia do sul, o farol Torre de Hércules, na Corunha, Espanha, o coração da relojoaria suíça nas cidades de Chaux-de-Fonds e Le Locle e o aqueduto de Pontcysyllte, no Reino Unido, juntam-se à lista de sítios culturais escolhidos pela Unesco para património mundial. A estes 11 pontos juntam-se ainda dois sítios naturais: o mar de Wadden, na Alemanha e as montanhas Dolomitas, no norte de Itália. Ler mais, no Público.

1413. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (114)

Vale a pena descer o Tejo de avião, desde Espanha até Cascais.

1412. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (113)

A Câmara de Santo Tirso e cinco entidades privadas apresentaram hoje um projecto de recuperação e dinamização das margens do Rio orçado em cerca de 10 milhões de euros. A execução de um percurso pedonal e ciclável que ligue Santo Tirso ao Parque Urbano de Rabada, ao longo de 800 metros, é uma das obras hoje apresentadas em conjunto pela autarquia tirsense, a Fundação de Santo Thirso, a Escola Profissional Agrícola Conde São Bento, o Café do Rio, o Clube de Pesca Desportiva Além Rio e a Associação Desportiva e Recreativa Nossa Senhora da Torre. Este projecto de Parceria de Regeneração Urbana (PRU), denominado “Recuperar as margens do Rio Ave”, prevê ainda, segundo Castro Fernandes, presidente da Câmara de Santo Tirso, o arranjo da frente ribeirinha, a requalificação de caminhos e trilhos e um centro de interpretação ambiental. “O montante de investimento será de 10 milhões de euros, 70 por cento co-financiado pelo FEDER e 30 por cento pela Parceria de Regeneração Urbana, que apresentou uma candidatura ao Quadro de Referência Estratégico Nacional”, acrescentou o autarca. A parceria entre as entidades ribeirinhas, pretende dinamizar as margens do Ave com provas de pesca desportiva, espaços lúdicos e a recuperação do percurso dos frades beneditinos.

Fonte: Lusa.

1411. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (112)

A Unesco solicitou ontem ao Estado português uma missão para avaliar no terreno o património cultural de Sintra classificado como Património da Humanidade, soube a Lusa junto de fonte da Comissão Nacional da organização. Ler mais, no Público. Ah pois é. Não há património mundial da humanidade grátis. É preciso tratá-lo, conservé-lo.

1410. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (111)


A praia fluvial das Rocas, que abriu em 2005, colocou Castanheira de Pêra, no distrito de Leiria, no mapa, mas não evitou a desertificação do concelho, admitiu à Agência Lusa o presidente da autarquia. “A desertificação é um problema muito mais complicado”, declarou Fernando Lopes (PS), presidente da autarquia, sublinhando que a sua resolução não é da única responsabilidade do município, tanto mais porque não se circunscreve à fronteira do concelho de menor dimensão do distrito, observou. Aliás, menor é um adjectivo que se repete no discurso do autarca, para apontar que Castanheira de Pêra tem, também, a menor população do distrito. A isto acresce, o que tem menores receitas. Maior, Castanheira de Pêra parece apenas ser na desertificação.

“Este é um problema que não é só nosso”, reiterou o presidente da Câmara Municipal, sustentando que a panaceia para esta espécie de doença do Interior do país não deve ser encontrada apenas no trabalho desenvolvido pelas autarquias. “Precisamos de um conjunto de investimentos de forma integrada”, destacou, apontando a necessidade de “incentivos às empresas, às famílias, às pessoas”, pois “o problema da desertificação do concelho tem a ver com a natalidade, mas também com emprego”. Com 3.350 habitantes distribuídos por duas freguesias, Castanheira de Pêra apenas tem conseguido ver aumentada a sua população no Verão, consequência do investimento de 12,5 milhões de euros na Praia das Rocas, que apresenta como imagem de marca as ondas a 80 quilómetros do mar. “Há dias, no Verão, que conseguimos duplicar a população do concelho”, afiançou o autarca, que exemplificou: “Chegaram, num dia, a estar mais de quatro mil pessoas na praia”. Por isso, Fernando Lopes assume, sem qualquer hesitação, que a praia fluvial das Rocas “já entrou no mapa das férias dos portugueses”. “Vem toda a gente à Praia das Rocas, até as pessoas do litoral”, assegurou, para repetir, mais duas vezes, “até as pessoas do litoral”.

O ambiente envolvente, a qualidade da água e do próprio investimento, e a segurança justificam a preferência, sublinhou o autarca, satisfeito por já se verem frutos. O retorno não é apenas na própria piscina das ondas, que Fernando Lopes classificou como “um dos maiores motores económicos do concelho”. Ganha o comércio, ganham os serviços, ganha a região, destacou o presidente da Câmara, que adiantou: “Já se vêem alguns sinais ao nível do desenvolvimento económico pelo efeito, muito positivo, da praia das Rocas”. “É um investimento que não tem só interesse local, mas regional para não dizer até nacional”, referiu Fernando Lopes, apontando que o desafio seguinte passa por combater a sazonalidade, que devolve à vila, nos restantes meses do ano a tranquilidade do Interior. “Há que vencer essa sazonalidade e encontrar outros motores durante o resto do ano ou, em alternativa, potenciar este investimento como um pólo de outro tipo de actividades para atrair as pessoas”, declarou.

Fonte: Lusa.

domingo, 28 de Junho de 2009

1409. DIÁRIO (19)

Sob raios e coriscos, chuvadas e trovões, um dia a corrigir frequências que amanhã é dia de entrega de notas.

1408. FESTA

Memórias virtuais da vida real. O Memória Virtual do ilustre nabantio Leonel Vicente festeja o sexto aniversário. Parabéns e muitos anos de vida!

1407. BOA COMIDA

Vaca com Molho de Bruxa, da recolha de receitas tradicionais de Júlia Leitão Redol, de Tomar.

1406. O CASTELO

Uma descrição do Castelo de Tomar, segundo Vieira Guimarães, no Sigillum Militum Christi.

1405. NERVOSEIRA MISTÉRIO

Alguém anda a fazer sondagens telefónicas em Tomar com vista às próximas eleições autárquicas, sem identificar a empresa que está a trabalhar. Continua, pois, a nervoseira, mas desta vez é uma nervoseira mistério...

sábado, 27 de Junho de 2009

1404. O MAMARRACHO

"A Câmara Municipal de Abrantes aprovou a construção de um edifício de forma paralelepipédica, com cerca de trinta metros de altura, sem janelas, para albergar o futuro Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes. O edifício ocupará grande parte da cerca do Convento de S. Domingos - um das mais importantes e históricos conjuntos arquitectónicos do burgo - situado num dos pontos mais elevados do monte onde se ergue a cidade de Abrantes."

Via Ametista descobri que a Camara Municipal de Abrantes quier construir um mamarracho para construir um... museu ibérico. Além de não saber muito bem o que é um museu ibérico, parece uma ideia absurda, própria de pessoal do betão, o projecto da coisa. Aterrador. Já há uma petiçao on line a correr. Ide lá e assinai, oh gentes...

1403. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (110)

A Câmara de Matosinhos reabre, domingo o Museu da Quinta de Santiago, um espaço museológico que tem por missão a preservação da memória da cidade, disse hoje à Lusa fonte da autarquia. O Museu, que abriu em 1996, estava encerrado para obras de restauro e ampliação de espaços desde Agosto de 2007. Na mesma ocasião o presidente da Câmara, Guilherme Pinto, inaugura o Espaço Irene Vilar, que acolhe o espólio que a escultora deixou à cidade. O Museu da Quinta de Santiago (MQS), localizado em Leça da Palmeira está particularmente dedicado a preservar a memória das profundas transformações urbanas, sociais e económicas decorrentes do processo industrial e do desenvolvimento portuário de Leixões. Para mostrar esta evolução, o museu socorre-se, não só do próprio edifício no qual se encontra instalado, mas também da arte, nomeadamente (embora não de um modo exclusivo) nas telas de três testemunhas privilegiadas desses acontecimentos, António Carneiro, Augusto Comes e Agostinho Salgado. O MQS é um espaço de memória do que foi a vida de uma família aristocrática e burguesa em Leça da Palmeira na mudança do século XIX para o XX. Nessa época, Leça era um dos mais famosos destinos de férias do Norte do país, e palco de encontro privilegiado de gente da sociedade, assim como poetas, escritores e pintores, entre os quais António Carneiro. A partir do final de Oitocentos, e com a construção do porto de Leixões e depois com a industrialização, todo esse mundo bucólico das margens do rio Leça começa a desaparecer.

Fonte: Lusa.

1402. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (109)

A Biblioteca Municipal da Azambuja vendeu já cerca de 500 livros a 20 cêntimos cada um na quinta edição da Feira do Livro Usado, uma iniciativa de recuperação de livros cujo destino era o abate. A exposição, que conta com centenas de livros antigos de vários géneros literários e que já não podem estar nas prateleiras da biblioteca, tem sido um "sucesso", de acordo com Maria Adelaide Cruz, da Biblioteca Municipal da Azambuja.

Fonte: Lusa.

1401. EXEMPLO A SEGUIR

Em Abrantes, a Tagusvalley - Associação para a Promoção e Desenvolvimento do Vale do Tejo, vai lançar um projecto formativo na área do empreendedorismo em meio rural e de valorização dos produtos locais, exclusivamente dedicado ao sexo feminino. Céu Albuquerque, a presidente da direcção da Tagusvalley, disse à Lusa que o projecto ‘Prehendere’ “destina-se exclusivamente à formação de mulheres empreendedoras, com escolaridade até ao 12º ano, e tem o objectivo de promover a vocação empresarial e dotar as participantes das competências necessárias à concretização de uma boa ideia de negócio”. “Vamos aceitar até 12 projectos, e às promotoras será dada formação em sala para desenvolverem a sua ideia de negócio e o apuramento da sensibilidade para aquilatar da sua viabilidade e concretização”, adiantou a responsável. Segundo acrescentou Céu Albuquerque, “na segunda fase do programa será dado treino específico para a elaboração e consolidação do plano de negócios, através de consultadoria especializada, assegurando desde logo que a autarquia se constituirá como um parceiro, garantindo a aproximação e utilização dos sistemas financeiros de apoio à criação de novas empresas”.

“A Tagusvalley”, continuou, “assume também a promoção e criação de uma rede inter-empresas que facilite o acesso à informação e divulgação sobre mercados, formação, oportunidades de financiamento e de negócio, sendo que a filosofia de projectos a aprovar se inserem numa lógica de desenvolvimento rural, turismo rural e de natureza, enfim, muito virado para as questões locais”. Com o apoio inicial do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) de 50 mil euros, “só para a vertente da formação”, Céu Albuquerque acrescentou que “serão igualmente promovidas sessões de ‘brainstorming’ para as mulheres que tenham vontade de empreender, mas que não tenham ainda encontrado ‘aquela ideia’”. “A este projecto”, que tem inscrições abertas até dia 15 de Julho, “junta-se um outro programa de apoio, desta feita dedicado à realização de estágios profissionais em pequenas e médias empresas visando a inserção de jovens com qualificação de nível superior”, acrescentou a responsável. Segundo disse, o programa, que decorre até 30 de Junho, foi aprovado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional, como entidade organizadora do Inov-Jovem, ficando a Tagusvalley “habilitada a dinamizar ofertas de estágios profissionais e possibilitando a aproximação entre a oferta e a procura de estágios”.

“A expectativa inicial era a de poder possibilitar estágios a treze pessoas mas hoje já temos 25 jovens licenciados colocados em 20 empresas da região, que aderiram ao programa”, afirmou. Segundo acrescentou Céu Albuquerque, os programas “têm diferentes destinatários mas os objectivos são idênticos, na medida em que dão significado aos grandes objectivos da Tagusvalley, que são o promover de uma cultura empresarial inovadora, criar postos de trabalho e criar valor social e económico para a região”.

Fonte: Lusa.

1400. FINALMENTE

Parece que a ACITOFEBA conseguiu finalmente eleger uma nova Direcção. O Presidente é Francisco Faria, que assim cumprirá mais um mandato, a Vice-Presidente é Isabel Miliciano e o Tesoureiro é Alberto Godinho. Espero que desta vez a ACITOFEBA ganhe nova dinâmica que Tomar e a sua depauperada economia bem precisam.

1399. CRÓNICAS AUTÁRQUICAS

Através do Tomar Em Primeiro Lugar cheguei aqui: Um dia na vida da Assembleia Municipal de Tomar. A política nabantia aquece.

sexta-feira, 26 de Junho de 2009

1398. VASCO JACOB

Na passada quarta-feira prestou-se homenagem ao Mestre Vasco Jacob, 110 anos após o seu nascimento, tendo-se reunido para o efeito mais de uma centena de pessoas. O Mito, o Homem e a Obra permanecem vivos entre as gerações que tiveram o privilégio de o conhecer e com ele privar. Amigos, colaboradores e alunos reviveram a história e as estórias daquele que foi o pioneiro de um método de ensino da natação considerado “muito avançado” para a época como o demonstrou o professor doutor Pedro Sarmento, membro do Conselho Consultivo da Escola Superior de Desporto de Rio Maior e professor nos CESPU do Porto. A Câmara Municipal de Tomar, o Instituto Politécnico de Tomar e o Turismo de Lisboa e Vale do Tejo assumiram a realização, em 2010, do I.º Congresso Internacional de Turismo, Desporto e Saúde. Mais um êxito, mais uma homenagem, mais um acto de cultura realizado na Galeria Templários – Welcome Center, do Turismo Lisboa e Vale do Tejo, em Tomar, que nos alerta para os talentos que fazem ou fizeram história neste País.

1397. MONUMENTO

No próximo dia 11 de Julho é inaugurado o monumento ao construtor civil, na chamada rotunda da Serôdia.

1396. MÁ NOTÍCIA

Faleceu o Padre António de Jesus Escudeiro, que durante muitos anos foi pároco da freguesia de Paialvo.

Fonte: O Templário.

1395. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (108)


Apenas os cafés mais carismáticos resistem ao passar dos séculos nas principais cidades portuguesas, seja porque as gerações de cliente não se renovam seja porque o culto da “bica” e dois dedos de conversa tenha mudado de poiso. Nalguns casos, as caras dos estabelecimentos fizeram retoques de cosmética para actualizar a imagem mas outros a memória de outros tempos permanece inalterada. Em Março, a Brasileira de Braga reabriu ao público quando comemorava 102 anos de vida mas manteve o carisma de outros tempos, actualizado com obras de restauração e modernização, que incluíram a criação de duas novas salas no andar superior.
O estabelecimento continua com a frequência habitual. De manhã, reformados, turistas e profissionais liberais, uma clientela que à noite é substituída por intelectuais, professores, artistas, jornalistas, músicos e empresários.

O café havia fechado as portas em Setembro de 2008 para obras, no âmbito de um acordo com a ASAE (Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica), que exigia a renovação da copa e da cozinha. No Estado Novo, A Brasileira era frequentada por opositores de António Salazar, pelo que foi criado um novo estabelecimento, a Nova Brasileira, para satisfazer a procura de simpatizantes do regime. Mais a sul, em Lisboa, a História atribui o lugar de honra ao Café Restaurante Martinho da Arcada, no Terreiro do Paço, inaugurado em 1778 sob o nome “Café da Neve” (ganhou a actual denominação em 1845, quando foi comprado por Martinho Rodrigues) e ponto de encontro habitual de escritores dos séculos XIX e XX, como Fernando Pessoa.

Ainda hoje o poeta tem reservada a sua mesa, onde escreveu parte da sua obra, e os visitantes podem ver um poema escrito pelo próprio num menu. “O Fernando Pessoa é sempre uma referência e nós alimentamos esses espírito, fala-se sobre ele de manhã à noite, nem que seja em conversa…de café. Há muito turismo ligado a ele, aliás, hoje o Martinho sobrevive pelo turismo cultural, com muitos estrangeiros e escolas”, conta à Lusa António Sousa, proprietário do “resistente” estabelecimento há vinte anos. O responsável lamenta que a “aguda” crise económica sentida há anos no país e, em particular, na Baixa lisboeta, tenha atingido um pouco o histórico café: “Agora que a crise é internacional, também a sentimos. Em vinte anos nunca senti uma crise do turismo cultural, mas está muito latente”. Na Baixa de Coimbra, impõe-se pela sua arquitectura de estilo manuelino o café Santa Cruz, junto à igreja do mesmo nome, Panteão Nacional onde está resultado o rei fundador da nacionalidade, D. Afonso Henriques. Inaugurado em 1923, o café Santa Cruz é considerado o mais antigo da cidade, depois de terem desaparecido, nos últimos anos, históricos concorrentes como A Brasileira e Arcádia, também eles cafés do século XX, embora de criação mais tardia.

Segundo o gerente, Victor Marques, o primitivo café-restaurante Santa Cruz “fazia concorrência directa” a outros cafés luxuosos da época, como o Majestic, no Porto, e A Brasileira, em Lisboa. Durante décadas, o Santa Cruz teve colado o rótulo de “café dos unionistas”, os adeptos do popular clube de futebol União de Coimbra, enquanto os academistas frequentavam mais os cafés da zona do largo da Portagem, em especial o Arcádia. “Nos dias que correm, é o único café onde nos sentimos bem. Os empregados são muito simpáticos e o ambiente é esplêndido”, afirma Joaquim Santana, ferrenho “academista” que não se importa de frequentar território adversário.

A Lusa não se devia ter esquecido do mítico Paraíso de Tomar!

Fonte: Lusa.

1394. ILÓGICA

Recebi uma carta em casa. Tem um logotipo onde se lê LOGICA, Relasing your potencial. Fixe: tive umas aulitas de inglês, ainda José Sócrates não tinha fingido que tinha colocado a criançada toda a ter aulas de inglês. Safei-me. No texo da carta leio que se trata de uma empresa prestadora de serviços informáticos que disponibiliza (quererão dizer "vendem"?...) o sistema de gestão comercial aos Serviços Municipalizados de Tomar e que têm uma experiênca de 18 aos, etc...

Infomam-me depois que em Março (presumo que de 2009, visto que a carta é omissa) houve uma incompatibilidade (será "erro"?...) no tratamento de alguns pagamentos efectuados fora dos balcões dos SMAS e que algumas facturas ficaram em divida (terão querido dizer dívida"?...) indevidamente. Resultado: foram enviados avisos de corte de fornecimento a alguns clientes. O prestador de serviços pede desculpa e diz que a situação foi regularizada.

A carta não tem data. A carta não tem a morada da sede ou dos serviços da empresa. A carta não tem a identificação da empresa (NIF, telefones, email, número de registo na Conservatória do Registo Comercial, nadinha...), e, cereja em cima do bolo, não vem assinada. Será um carta falsa?... Uma coisa sei: vou mandar o meu curriculum vitae para lá (terei de investigar para descobrir a morada...) a candidatar-me à função de responsável pelo marketing da tal de LOGICA. Acho que devem estar a precisar.

quinta-feira, 25 de Junho de 2009

1393. PS JÁ DERROTADO

Luís Ferreira dá hoje uma entrevista a O Templário, onde fixa o objectivo eleitoral do PS nas próximas eleições autárquicas em obter três vereadores. Ou seja: o dirigente do PS está a dizer que não acredita na vitória do PS. Faz muito bem, porque ninguém acredita. Mas se são os próprios militantes, dirigentes e candidatos do PS a dizê-lo, então, todos os que não acreditam estão confortados no seu juízo. O PS não só não concorre para ganhr como confessa a derrota à partida. Pior, está a dizer aos eleitores para procurarem outras candidaturas, que ao menos acreditem em si próprias.

1392. BOA PERGUNTA


O jornal O Templário está a inquirir os leitores sobre se Tomar está a aproveitar bem a albufeira de Castelo do Bode. É uma boa pergunta... agora que passou o solstício de Verão calhava bem uma praiazita fluvial como deve ser no concelho. Calhava, mas não calha. Podiam até chamar-lhe uma praia de charme, assim o equivalente aos hotéis de charme, para quem não gosta de água e areia.

1391. A CAMINHO DE ALFERRAREDE


As actuais instalações da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes são consideradas pelo Instituto Politécnico de Tomar o principal ponto negativo. Pires da Silva referiu-se ao problema na sessão de encerramento do ano lectivo e aproveitou a ocasião para lembrar que brevemente a ESTA passará a funcionar nas novas instalações, que se encontram ainda em fase construção no Tecnopolo, em Alferrarede. O projecto tem sido apoiado pela Câmara Municipal de Abrantes que cedeu entretanto um espaço para a criação de uma nova residência para os estudantes. Pires da Silva sublinhou nessa sessão de encerramento, que decorreu no dia 4 de Junho, que a Câmara têm-se mostrado à disposição da ESTA, para que encontre cada vez melhores condições e num ”ambiente mais alegre e feliz”. Para Nelson Carvalho, presidente da Câmara de Abrantes, ”a ESTA está no bom caminho e detém um lugar estratégico para a afirmação da cidade. A tecnologia, o conhecimento e a inovação têm de ser os marcos da comunidade. É por isso importante reforçar a presença e a actividade do IPT na região”, vincou.

Fonte: O Torrejano.

quarta-feira, 24 de Junho de 2009

1390. A A23 VAI PARA OBRAS

O Nabantia sabe que a A23 vai entrar brevemente em obras. Bem precisa. Parece que existem umas passagens superiores e inferiores em tão bom estado de conservação que carecem de ser refeitas. Já as obras no troço de Torres Novas em virtude de um desabamento de terras estiveram paradas porque pura e simplesmento não havia dinheiro para a obra. Cá vamos, pois, cantando e rindo, levados, levados sim...

1389. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (107)

Sessenta anos depois, pela mão da Galeria Perve, Os Surrealistas "regressaram" à mesma sala, hoje com outras funções. Simbolicamente, a exposição - que é uma homenagem - abriu e vai fechar rigorosamente nos mesmos dias que em 1949: 18 de Junho- 02 de Julho. Lá estão algumas das pinturas e alguns dos desenhos então mostrados, alguns dos poemas então lidos em voz alta, alguns dos objectos. Adicionalmente, são exibidos um curto filme de ficção dos anos 60 realizado por Carlos Calvet, com Mário Cesariny no protagonista, e três documentários de Carlos Cabral Nunes, da Galeria Perve, sobre Cesariny, Cruzeiro Seixas e a última exposição que este último fez em vida. A homenagem completa-se com mais três pólos expositivos em Lisboa: na Perve Galeria, à Rua das Escolas Gerais, 17 e 19, e em duas salas da Rua dos Remédios, números 57, primeiro andar, e 98. Na Perve, a exposição tem por título "Surrealismo abrangente após 1950" e apresenta obras de surrealistas realizadas após a exposição de 1949 e de artistas em que "a influência do Surrealismo é forte", como nos casos de Mário Botas, António Quadros, Raul Perez, João Rodrigues, Gonçalo Duarte, Isabel Meyrelles, José Escada, entre outros. As exposições patentes nas duas salas da Rua dos Remédios - "Revisitação", com obras próximas do ideário surrealista (Liberdade, Amor, Poesia), e "In-situ", com obras realizadas no local - estão "correlacionadas", porque nelas participam basicamente os mesmos artistas. Entre outros, Manuel João Vieira, Inês Marcelo Curto, João Garcia Miguel, Fernando Aguiar, Chris Hales, Stanislav Miler, Ricardo Casimiro, Cabral Nunes, Nuno Espinho. A exposição na antiga sala Pathé Baby encerra a 2 de Julho. As restantes poderão ser vistas até 31 de Julho. Ainda em Lisboa, a 1 de Julho, o Centro Cultural de Belém acolherá o lançamento do livro-objecto artístico de Cruzeiro Seixas "Prosseguimos, cegos pela intensidade da luz", será inaugurada em Alcântara a Galeria Perve Ceutarte e, na Galeria São Bento, abrirá ao público a exposição "Objectos e formas surrealistas".

Mas a homenagem não se circunscreve a Lisboa e vai viajar para outros pontos do país: entre 30 de Junho e 30 de Julho, o Porto poderá ver "Os Surrealistas - ontem e amanhã" na Livraria Lello, que será cenário, no primeiro dia, do lançamento do livro-objecto artístico "Prosseguimos, cegos pela intensidade da luz". Entre 15 de Julho e 30 de Agosto ficará patente em Torres vedras, na Galeria Municipal, a exposição "Albergue da Liberdade", que inclui a estrutura com o mesmo nome levada pelo seu autor, o arquitecto Pancho Guedes, à Bienal de Veneza e entretanto doada para integrar o espólio da Casa da Liberdade Mário Cesariny.

Ler mais no Público.

1388. NOVO BLOGUE

E o Máquina do Tempo, que surge através do projecto Tomar Terra Templária.

(Via Tomar)

1387. NERVOSEIRA

Isabel Miliciano desfiliou-se do PSD. A média anda no miltante/mês a bater com a porta. Entretanto, parece que Miguel Relvas não terá ficado nada contente com a situação em que o PSD de Tomar se encontra e terá dado um valente puxão de orelhas a quem encontrou pela frente na passada segunda-feira. Carlos Carrão ainda espreita uma oportunidade de substituir Corvelo de Sousa como candidato. A situação política em Tomar está verdadeiramente agitada. Muita nervoseira.

1386. SÉTIMA ARTE

"O cinema em Tomar no cine-teatro Paraíso - que se mantém porque a Câmara de Tomar, depois de ter obrigado por concorrência desleal o cinema privado a fechar, sustenta agora este embora com pior serviço - brinda-nos esta semana com mais um filme que conseguiu chegar primeiro aos videoclubes nabantinos do que ao grande ecrã."

Hugo Cristovão, no Algures Aqui.

terça-feira, 23 de Junho de 2009

1385. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (106)

O ÚLTIMO DOS REGEDORES

O antigo regedor de Durrães, no concelho de Barcelos, que era a pessoa mais idosa de Portugal, morreu segunda-feira, com 111 anos, e vai hoje a sepultar, disse à Lusa fonte familiar. Nascido a 06 de Janeiro de 1898 (século XIX), António Fernandes de Castro viveu mais de 40.800 dias, cumprindo todo o século XX e entrando pelo século XXI. A sua vida foi repartida entre o trabalho do campo, sobretudo no "ramo" das videiras, onde se revelou um negociante exímio, e o desempenho de vários cargos públicos, tendo sido regedor durante 33 anos. No fundo, era ele quem mandava na freguesia. Podia entrar na casa de qualquer pessoa, mas apenas antes de o sol se pôr. Podia até prender quem infringisse as regras da Nação. No entanto, como o próprio relata num livro que a Junta de Freguesia editou aquando do seu centenário, era "um regedor bom", que nunca prendeu ninguém. Durante dois ou três anos, foi também juiz de paz, com poderes para resolver os pequenos problemas que se passavam no seu território, mas também com autoridade para fazer conciliações em partilhas. Outro cargo que desempenhou foi o de presidente da Junta, tendo sido no seu tempo que nasceu a primeira escola em Durrães, para evitar que os meninos da freguesia tivessem que "emigrar" para outras terras para tirar a quarta classe. Integrou também a Comissão Fabriqueira de Durrães, ficando ligado ao processo de construção da nova Igreja Paroquial. António Castro criou 10 filhos, que lhe deram mais de duas dezenas de netos e quase trinta bisnetos, tendo ainda conhecido dois trinetos. O "senhor regedor", como era conhecido em Durrães, sempre comeu de tudo, e este poderá ter sido, porventura, um dos grandes segredos da sua longevidade. Nos últimos tempos, como contou à Lusa a nora que foi durante largos anos a sua ama, "a coisa ficou complicada", por causa da garganta, "que não deixava passar a comida".

Fonte: Lusa.

1384. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (106)

O Museu de Arte Pré-Histórica de Mação e a empresa Beneficts and Proficts inauguram, na próxima segunda-feira, a arqueomacao.tv no Brasil, com dois espaços museográficos virtuais instalados em rede com o museu português. À parceria público-privada junta-se o Instituto Politécnico de Tomar (IPT) que, a convite do Governo do Estado do Piauí, inicia nas cidades de São Raimundo Nonato e Guaribas a criação de uma rede de pólos museológicos em todo o Brasil, especialmente vocacionados para o acesso das populações mais pobres ao conhecimento arqueológico. Luís Oosterbeek, director ciêntífico do Museu de Mação, disse à agência Lusa que a arqueomacao.tv “é um projecto de canal de televisão TVIP com o objectivo de, em conjunto com os parceiros aderentes, constituir uma rede de difusão de conteúdos totalmente dedicado à arqueologia e ao património cultural, incorporando um claro sinal de que o combate à fome e à miséria passa pela componente da cultura”. Segundo acrescentou, a criação da tv na internet e a implantação do Programa de Animação Ciêntífica e Artística Digital (PACAD), são “parte integrante” do Projecto de Intervenção Arque-Museográfica do Piauí e “permitirá consultas de arquivos de vídeos e artigos relacionados com os projectos de investigação e museologia arqueológica coordenados pelo Instituto Politécnico de Tomar (IPT), para além das emissões em directo”. O primeiro espaço virtual será instalado na Fundação Museu do Homem Americano (FUMDHAM), em S. Raimundo Nonato, que coordena o Parque Nacional da Serra da Capivara, reconhecido pela sua arte rupestre e por encerrar os mais antigos vestígios humanos na América, datados de há mais de 50.000 anos. O segundo espaço será instalado no Centro Cultural da cidade de Guaribas, onde o governo brasileiro lançou o programa Fome Zero, “com o intuito de inscrever na matriz do combate à pobreza a componente da arqueologia e da arte rupestre e, sobretudo, o contributo destas para a afirmação da diversidade das culturas num quadro geral de radical unidade”, explicou Oosterbeek. “Em oito anos, vinte milhões de pessoas foram retiradas da pobreza com este programa”, sublinhou. Este responsável acrescentou que o arqueomacao.tv “vai permitir um fácil acesso a todos os conteúdos a custo zero".
"As pessoas poderão, assim, a partir de suas casas e dos seus países, aceder às informações disponibilizadas neste canal de TV por internet”, disse. Os dois espaços serão inaugurados dia 29 de Junho, por ocasião do congresso mundial da IFRAO (Congresso de Arte Rupestre, em S. Raimundo Nonato) e “permitirão não apenas a fruição local, mas também a ligação permanente em vídeo-conferência com o Museu de Arte Pré-Histórica de Mação”. O responsável adiantou que o projecto arqueomacao.tv se estenderá “em breve” a Espanha e ao Senegal. “O trabalho de interacção com os agentes locais com vista ao desenvolvimento de regiões deprimidas é uma das premissas da Rede de Arqueologia Ibero-Americana, e este é um bom exemplo do tipo de parcerias que queremos apoiar, fomentar e desenvolver”, concluiu Oosterbeek.

Fonte: Lusa.

segunda-feira, 22 de Junho de 2009

1383. BLOGUE JÁ HÁ

A anunciada candidatura de independentes de que deu conta a Rádio Hertz pelo menos blogue já tem. É o Tomar em Primeiro Lugar. Mais um para a barra lateral. O Nabantia, que só conhece na política local a experiência blogosférica do PS de Tomar e o tal misterioso blogue do Bloco de Esquerda, onde em 2006 se anunciava muita coisa que não veio a acontecer, saúda mais esta chegada à blogoesfera da política tomarense, desta feita através de um grupo de cidadãos eleitores.

1382. NERVOSEIRA

Sim, parece que esta noite a nervoseira está toda na sede do PSD. Parece que não há cadeiras que cheguem para tanto assento. E com a nova candidatura de independentes as coisas parece terem ficado ainda um pouco mais negras do que já estavam. Miguel Relvas, o bombeiro de serviço, lá veio da capital tentar liderar o que resta de um mandato desastroso na Camara, com evidentes reflexos no partido. Será que ainda vai a tempo? Hum... Mais pormenores no Tomar a Dianteira.

1381. ELEIÇÕES

Definitivamente 2009 é um ano agitado em matéria eleitoral. Já tivémos as europeias, de que ainda se fala e de que ainda se lambem feridas abertas, vamos ter as legislativas, cada vez mais incertas e por isso emocionantes e vamos até ter autárquicas, cujo desenlace em Tomar parece também cada vez mais incerto. Só isto já era suficiente para pôr o cidadão à beira de um ataque de nervos. Mas não é tudo. Este ano é também ano de eleições no Instituto Politécnico de Tomar. Já estão publicados os cadernos eleitorais e diz-se por aí que o eterno candidato anunciado, Eugénio Almeida, vai ter oposição. Mais uma emoção para este ano tomarense...

1380. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (105)


O regresso do lince-ibérico às serras e montados de Moura-Barrancos, no Baixo Alentejo, pode estar mais próximo do que se julga. Em Espanha há registos recentes de animais que chegam bem perto da fronteira. Mas se por cá as condições ecológicas já são “bastante boas”, falta ainda aumentar um pouco mais a população de coelho-bravo, a sua principal presa, e conquistar as populações locais, considera a Liga para a Protecção da Natureza (LPN). Ler aqui, no Público.

1379. ACITOFEBA

Alberto Godinho é candidato à Direcção da ACITOFEBA. Parece estar a caminho de resolução a crise. Boa notícia para Tomar.

domingo, 21 de Junho de 2009

1378. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (104)

Compensados ou salto agulha, o formato não importa desde que tenha mais de sete centímetros, regra cumprida pelas cerca de 300 mulheres que hoje participaram na primeira edição da corrida "Saltos Altos". A prova, que já é realizada em várias cidades do mundo, disputou-se pela primeira vez em Portugal no passeio marítimo de Alcântara, em Lisboa, e conseguiu reunir algumas centenas de mulheres, de acordo com a organização, na luta pelo prémio máximo de mil euros em compras. Ora aí está uma corrida que Corvelo de Sousa deve achar um desconforto para as senhoras, ou será que o pavimento do centro histórico ja foi instalado a pensar em mais uma actividade cultural deste género a realizar no futuro pela cultural Camara Municipal de Tomar?...
Fonte: Lusa.

1377. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (103)


O Museu do Caramulo, no concelho de Tondela, anseia por concretizar projectos pensados há já vários anos, mas o facto de ser privado e de escassearem os apoios dos mecenas não o permite. Fundado nos anos 50 pela vontade dos irmãos Abel e João Lacerda, o Museu do Caramulo conta com uma colecção de arte resultante da generosidade de coleccionadores e artistas contemporâneos de renome e outra de automóveis, todos em condições de circular. "Temos que sustentar este museu com a receita das entradas e com mecenato, quando ele existe. Temos de nos estar constantemente a adaptar a essa variação entre ter ou não mecenato, que pode ser uma variação grande", explicou à Lusa o director do Museu do Caramulo, Tiago Patrício Gouveia, acrescentando que as colecções recebem cerca de 30 mil visitantes por ano. Segundo o responsável, o museu tem "um número grande de projectos que gostaria de levar a cabo, mas é extremamente difícil conseguir garantir os fundos necessários para os pôr em prático".

Deu como exemplo a requalificação das salas onde se encontram alguns dos carros mas que servem também para exposições temporárias, que "deviam ser refeitas para suster pesos grandes e poder haver exposições de automóveis independentemente do seu peso". Melhorar a iluminação é também uma necessidade destas salas, bem como das salas de exposição permanente da colecção de arte, que têm ainda problemas no que toca ao revestimento das paredes e à climatização. Segundo Tiago Patrício Gouveia, outros projectos parados por falta de verbas são a construção de acessos para pessoas com dificuldades motoras (rampas e elevadores) e a criação de um centro de documentação pesquisável através da Internet. Pedidos directos ao Ministério da Cultura para estes projectos nem vale a pena, porque os que fizemos deram-nos a entender que não há a menor hipótese de pontualmente apoiar um museu num projecto", contou, dizendo entender a posição, porque "seria injusto para os outros museus".

O museu já teve ajuda dos fundos comunitários para algumas melhorias, nomeadamente restauro de obras, instalação de câmaras de vídeo-vigilância e renovação de imagem. No entanto, não tem tido a mesma sorte para estes projectos pendentes. "O centro de documentação e o acesso para deficientes foi aprovado numa fase final do quadro anterior de apoios comunitários, mas caímos numa situação de rateio e os fundos já não chegaram à nossa candidatura, que ficou em oitavo lugar. Os fundos acabaram na segunda", contou. No que respeita ao Quadro de Referência Estratégico Nacional, Tiago Patrício Gouveia disse não ter conhecimento de que estejam abertos programas para a cultura na Região Centro. Lamentou que em Portugal não exista a aposta no mecenato que considera ter havido noutros tempos, frisando que o Museu do Caramulo "foi inteiramente construído a partir desse espírito de mecenato, tanto o edifício como a colecção de arte, que foi totalmente doada". "Mas não temos sentido isso nos últimos anos", afirmou, dando como bom exemplo de funcionamento do mecenato os Estados Unidos da América.

Fonte: Lusa.

1376. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (102)

O Palácio Nacional de Mafra recriou hoje pela primeira vez a ocupação das tropas francesas para assinalar o bicentenário das invasões francesas, recorrendo a uma centena de voluntários que deram vida a várias encenações. “É a maior recriação histórica no palácio com 111 figurantes”, disse à Lusa Ana Catarina Sousa, arqueóloga e uma das coordenadoras da iniciativa, que teve uma assistência de cerca de duas mil pessoas. “Quisemos mostrar novos espaços do palácio que não estão abertos ao público, como o refeitório dos frades, e dar a conhecer através de animação histórica um período marcante da História de Portugal em que Mafra desempenhou um papel de destaque uma vez que o palácio foi o quartel-general do exército francês”, explicou. Uma centena de voluntários, dos 5 aos 80 anos e das mais variadas profissões, dão corpo às várias encenações, sempre trajados à época e adoptando o próprio estilo de vida e a linguagem de figuras. José Duarte, 46 anos, electricista, já não é a primeira vez que entra em encenações históricas, mas pela primeira vez se veste de soldado francês, tendo como função fazer a contagem dos bens saqueados aos portugueses. Entre 8 de Dezembro de 1807 e 31 de Agosto de 1808, “foram nove meses difíceis para o povo de Mafra, porque todos os mantimentos e colheitas foram confiscados e houve saques nomeadamente nas igrejas”, recorda Ana Catarina Sousa. Serralheiro de profissão, José Fernandes, 39 anos, está já habituado a desempenhar a personagem de Junot, a quem a todos devem subserviência e que se entretém com a esposa Laura Permont (Adelaide Santos, 31 anos, gerente comercial numa retrosaria) a receber elementos da nobreza e a ouvir música e beber. “Já participo nas recriações históricas há cinco anos e quando não faço de Laura faço de francesa detestada pelos portugueses”, conta Adelaide Santos. Outros soldados franceses treinam para o combate ou executam pessoas à morte, enquanto, ferradores e moços de estrebaria preparam os cavalos.

Na rua uma mulher do povo, “Maria das Dores” (Fátima Caracol, 53 anos, professora) grita: “Malvados dos franceses que me levaram o boi e tudo o que tinha”. Ao lado, a jovem Joana Azeiteiro, de 11 anos, faz de pedinte, com uma caneca vazia na mão, depois de os bens dos seus pais terem sido levados pelos franceses. Numa outra cena, Mafalda Jacinto, 21 anos e estudante de Enfermagem, é uma das mulheres de companhia nos momentos de lazer dos soldados franceses, servindo-lhes as refeições e jogando com eles, ao mesmo tempo que tentam escapar das tentações destes homens. Enquanto uns figurantes retratam a revolta do povo, outros trajam-se a frades, recriando cenas do quotidiano, como momentos de oração, preparação das refeições e de medicamentos e tratamento dos enfermos.

Fonte: Lusa.

1375. UM DOMINGO ALENTEJANO

Eis um Domingo alentejano em Tomar. Não se avista viv'alma nas ruas. As ruas parecem ter regressado por magia ao ritmo dos anos cinquenta, não fora a quantidade de carros estacionados junto aos passeios. Mas esta intensa estiagem, típica do Alentejo, em que se vive agora a hora da bela sesta, é enganadora. Há vida em Tomar para além do calor. António Paiva desce a Alameda com a família em demanda do almoço, depois da costumada corrida matinal dos Domingos. Isabel Miliciano e Jorge Ferreira almoçam pacatamente no Nabão. Vêem-se blocos de apontamentos na mesa e telemóveis a funcionar. O que tramarão eles? Será que a Rádio Hertz acertou? Por mim, recolho-me no fresco, entregue às leituras de fim de semana, já a atirar para a silly season.

1374. O QUE EU VEJO (5)

sábado, 20 de Junho de 2009

1373. A ESTALAGEM

O Tomar a Dianteira divulga hoje alguma informação sobre uma matéria acerca da qual também o Nabantia já perguntou há algum tempo (embora com a preguiça de não requerer a consulta do processo nos termos da lei, expediente e trabalheira a que o autor do citado blogue, em boa hora, se deu...): a actual situação das relações entre a Camara Municipal de Tomar e a Estalagem de Sta. Iria. Creio, do que sei, que haverá mais que contar, mas louve-se o serviço público de informação prestado mais uma vez por este distinto blogue.

1372. DIÁRIO (18)

Proteger-me do calor nas sombras de casa. Beber muita água para não desidratar. Ler os jornais todos, em papel, isso mesmo, a sujar as mãos de tinta e a deixar os olhos descobrir as notícias pequenas que nenhum on line do mundo consegue trazer, coisas até sem importânci anenhuma mas que retemos exactamente por não terem importância nenhuma. Observar, divertido, os efeitos dos foguetes lançados esta semana por aí e como há gente sem saber o que fazer. Dar graças por ter um rumo, privilégio de que nem todos se podem gabar. Preparar-me para intensa semana de Frequências e de muitas conversas com muita gente. Trabalhar com estas temepraturas altas cansa mais. Há que criar, pois, reservas suficientes de energia.

1371. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (101)

O I Festival Erótico Medieval irá decorrer de 9 a 12 de Julho, em Carvalhos, Vila Nova de Gaia. O festival vai explorar a temática do erotismo na Idade Média. A iniciativa do The Lingerie Restaurant, o único restaurante erótico em Portugal, dirige-se apenas a homens e mulheres com mais de 18 anos. O festival vai estar dividido em quatro áreas distintas: a área de Espectáculos, com três palcos onde se poderá assistir a shows de striptease, lésbicos e de transformismo; o Picadeiro, onde vai haver torneios a cavalo, luta na lama e luta de gladiadores; a área Mercantil, que será animada pelo corrupio dos mercadores e pelo murmurinho dos artesãos a trabalhar ao vivo e a área Gastronómica, onde não faltará, o porco no espeto, o pão rústico, a sangria, os doces, as compotas e mel. O I Festival Erótico Medieval será ainda alegrado pelos pregões dos almocreves e dos jograis, pela melodia dos trovadores, pela vivacidade dos saltimbancos, malabaristas e cuspidores de fogo e pelas inesperadas lutas de varapaus. O Festival Medieval decorrerá de quinta-feira a sábado, das 16h às 02h, e no domingo encerra às 22h. O preço dos bilhetes varia entre os 15 euros (singles), 20 euros (casal) e 30 euros (passe de três dias).

Fonte: Sol.

sexta-feira, 19 de Junho de 2009

1370. AGUARDAMOS O BALANÇO

Agora que vamos ter eleições autárquicas aumenta o interesse pelo trabalho desenvolvido pelos eleitos nas anteriores eleições. O que disseram, o que prometeram, o que fizeram e o que não fizeram. Curioso este blogue do Bloco de Esquerda de Tomar. Ainda é pior do que o blogue do Convento de Cristo... A comunidade blogoesférica aguarda desde 27 de Abril de 2006, já lá vão mais de três pacientes anos, a publicação das certamente inúmeras e pertinentes intervenções do deputado municipal do Bloco!...

1369. NERVOSEIRA

Falta ouvir os visados na notícia da Rádio Hertz abaixo reproduzida, que ainda não se pronunciaram. Mas garanto-vos que quem não gostou nada da ideia foi o PSD e também os Independentes por Tomar. Alguém lhes estragou o fim de semana. Por que será que há tanta nervoseira com mais uma lista de independentes?

1368. ISABEL MILICIANO CANDIDATA

A Rádio Hertz avançou ontem em primeira mão, no jornal das 19h, que Isabel Miliciano será a número 1 de uma nova lista de Independentes por Tomar, tendo em vista as eleições autárquicas que se avizinham. Isabel Miliciano, foi vereadora no segundo mandato de António Paiva na Câmara Municipal de Tomar, enquanto Jorge Ferreira, que lecciona no Instituto Politécnico de Tomar, está indicado para a Assembleia Municipal.

Fonte: Radio Hertz.

1367. NERVOSEIRAS

Eu disse quatro listas, sem me referir a candidaturas. Este convite de candidatura muito me surpreende, visto ser suposto as listas do PS estarem fechadinhas... Sinceramente ser convidado via blogue nunca me tinha passado pela cabeça! Este delirio deve ter que ver com o calor...

1366. NERVOSEIRA

O Nabantia, o escriba que não o blogue, bem entendido, já foi abordado para 4 listas diferentes em vista das eleições autárquicas. Safa, que há falta de pessoal...

1365. "SHOW OFF"

"No nosso entendimento, trata-se mais uma daquelas acções de fachada, que em nada contribuirão para melhorar o que quer que seja por estas bandas. Basta ver o que acontece com o Convento, Património Mundial da UNESCO desde há mais de 25 anos. Que temos ganho nós com isso? Dá Deus nozes a quem não tem dentes? Há pois dá! Mas não adianta continuar à espera que apareça um D. Sebastião para nos salvar. Enquanto os tomarenses não decidirem abandonar a sua conhecida e confortável apatia, não conseguiremos levantar a cabeça, mesmo que os outros continuem a proclamar que nunca baixam os braços.", escreve avisadamente Sebastião Barros, no Tomaradianteira.

Alguém, ainda não percebi bem quem, vai propôr a Festa dos Tabuleiros para património imaterial da Humanidade. Acho muito bem. Apenas pergunto: se não se sabe tratar em Tomar de um, como acreditar que se saiba tratar de dois? Pés na terra e cabeça no sítio é a melhor política e deixem-se de "show off" para as eleições que o povo nao é estúpido!

1364. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (100)


Podia ter sido n' A Brasileira ou, mais abaixo, no café Chiado, mas a proximidade da Escola António Arroio, onde estudavam, foi decisiva: acabaram por "adoptar" o Café Herminius para as suas tertúlias de convívio e "descobertas". A descoberta do Surrealismo, por exemplo. Estava-se nos primeiros anos da década de 40 e era de jovens - poetas e pintores ainda "em formação", ainda em busca de caminho - o grupo que se sentava à mesa do Herminius. Entre outros, Mário Cesariny, Fernando José Francisco, Vespeira, Cruzeiro Seixas. "Não nos fixávamos num café - conta à Lusa Cruzeiro Seixas - Andava-se quilómetros a pé por Lisboa, ia-se da Baixa à Almirante Reis, ao Largo do Chile, com toda a facilidade a pé. Conversávamos, trocávamos as nossas descobertas, sensacionais sempre, e sempre sensíveis". Oitenta e nove anos, único sobrevivente do grupo, o pintor e poeta recorda um texto de Cesariny em que este, "em frases poéticas, lindíssimas, como fotografias poéticas de uma época", descreve cenas e figuras daquele café. "Era um teatro, um teatro amargo, aquilo era de loucura". Desfilavam "a velha dos ursinhos", caçadores "com os cães todos", enquanto, lá fora, caras achatadas contra o vidro, crianças esfomeadas olhavam para o café que os do grupo tomavam, para o bolo que comiam...Um quadro com toque neo-realista.

O Surrealismo estava a chegar. Pelo final dos anos 30, começara a falar-se dele em Portugal. O poeta, pintor e homem de teatro António Pedro é talvez o primeiro a dar-lhe voz. Mas a ideia era francesa, com paternidade - de André Breton - atestada num primeiro Manifesto em 1924. Um segundo manifesto, cinco anos depois, consagra e desenvolve as teses expostas no primeiro. Aí se lerá que o Surrealismo é "automatismo psíquico puro, por meio do qual se trata de expressar verbalmente, por escrito ou por qualquer outra forma, o funcionamento real do pensamento, com ausência de controlo da razão, e de toda a preocupção estética ou moral". Vai ser preciso esperar mais 11 anos para que uma primeira tentativa de dar expressão portuguesa às directivas do Manifesto ocorra: uma inconsequente exposição nos Salões Repe, em Lisboa. Dois anos depois, novo passo para o historial do movimento, António Pedro publica "Apenas uma narrativa", que os compêndios referenciam como a primeira colectânea de textos surrealistas-automáticos publicada em Portugal. Mas, se uma data é possível avançar como a da implantação do Surrealismo, como movimento, em Portugal, ela é 1947, 23 anos depois do primeiro Manifesto bretoniano.
"Uma coisa que é completamente injusta - pondera Cruzeiro Seixas - é dizer-se que, em Portugal, o Surrealismo começou atrasado. Muitos anos depois começaram a surgir grupos surrealistas em todo o mundo, inclusive um dos grupos mais importantes hoje, que é o de Chicago. Não chegámos atrasados de maneira nenhuma. Chegámos na altura em que a nossa idade o permitia, em que o permitia o governo fascista". Dados lançados, os jovens do grupo do Herminius juntam-se a outros, de outros cafés, de outras experiências, e articulam ideias, vão fixando objectivos, dando forma a projectos. Por essa altura, Cruzeiro Seixas faz uma incursão, breve, pelo neo-realismo. Não renega a experiência. "Quase todos nós - lembra - passámos por lá. Mas não ficámos presos. Ninguém ficou preso". Junta-se aos Surrealistas um ano depois de estes se terem apresentado como Voz a ser tida em conta na Praça cultural portuguesa. Além dele, fazem parte do grupo, entre outros, José Augusto França, Cesariny, Alexandre O'Neill, António Maria Lisboa, Henrique Risques Pereira, Carlos Eurico da Costa, Pedro Oom, Carlos Calvet. Não é fácil, o caminho, e as divergências, os choques de personalidade, as pressões externas acabam por determinar a ruptura. Ficam, de um lado, os fiéis à linha bretoniana, e, do outro, os que defendiam uma mais activa intervenção social, uma presença política mais empenhada, na linha de Aragon e Eluard.
Recorda Cruzeiro Seixas: "A nossa tese era mais próxima de Breton. O Breton foi procurado pelo António Pedro, procurado pelo Cesariny, procurado pelo Risques Pereira. Quase todos pediram uma entrevista, quase todos foram recebidos. Acho que devem ter dito qualquer coisa que não agradou nada ao Breton. Não achou graça nenhuma ao Grupo Surrealista de Lisboa, ao Surrealismo português". Separados daquele Grupo, Cesariny, Seixas, António Maria Lisboa, Pedro Oom, Henrique Risques Pereira, Mário Henrique Leiria, Carlos Eurico da Costa, Fernando Alves dos Santos, António Paulo Tomás, Carlos Calvet, Fernando José Francisco e João Artur da Silva reúnem-se num "anti-grupo surrealista". Ficarão para a história do movimento com este nome: Os Surrealistas. 1949, o ano seguinte ao da cisão, virá a ser determinante na história do Movimento: a par de proclamações, textos publicados e conferências em defesa das razões que os movem, os dois «antagonistas» querem mostrar obra feita. Para tanto, organizam, cada um por seu lado, exposições. A primeira, logo em Janeiro, é a do Grupo Surrealista de Lisboa. A outra, a de Os Surrealistas, acontece cinco meses mais tarde, entre 18 de Junho e 2 de Julho.

O testemunho de Cruzeiro Seixas sobre a exposição é concludente:" Para nós,era quase como dizer que representava a própria vida. Era uma questão quase de vida e de morte, de morte interior e de vida interior, também". "Era - desenvolve - uma opção quase heróica fazer qualquer coisa. Era tão heróico fazer qualquer coisa que resolvemos, de certa maneira para fugir às responsabilidades desse heroísmo, acabar com a palavra 'grupo' e pôr 'Os Surrealistas'. Isso era importantíssimo como definição. Quem passar por cima disso está a ter uma má visão das coisas".
A exposição realizou-se na sala de projecções da Pathé-Baby, à Rua Augusto Rosa, "entre a Sé e o Aljube", como Cruzeiro Seixas gosta de anotar. Sessenta anos volvidos, a Perve Galeria recorda o momento organizando um Ciclo de Celebração que decorrerá em vários espaços expositivos e que, na sala onde a exposição aconteceu, dará a ver documentos e obras dos surrealistas «dissidentes» dos anos 40. Como está hoje o Surrealismo? Cruzeiro Seixas não tem dúvidas: "Está vivo". E ainda: "Um dos grandes surrealistas teve esta frase, que eu acho lindíssima, e estou absolutamente de acordo com ela: 'o Surrealismo é eterno'. É uma ideia que não morre, que vai ficar a gerar dentro dos homens e que vai, naturalmente, evoluir. Mas é eterna, como naturalmente o neo-realismo também. Tudo isto são fases. Um braço é surrealista, outro braço é neo-realista. Nós somos feitos desses pedaços todos de Cultura". Onde antes funcionava o Café Herminius, esse que terá sido um dos primeiros berços do Surrealismo em Portugal (o Café Gelo entra depois na História do Movimento), há hoje uma agência funerária. Simbolismo nenhum. Cruzeiro Seixas e outros o disseram: o Surrealismo é eterno, é uma ideia que não morre.

Fonte: Lusa.

quinta-feira, 18 de Junho de 2009

1363. ACITOFEBA

Dia 26 de Junho realiza-se nova tentativa de eleição de uma nova Direcção da ACITOFEBA. Oxalá tenha sucesso, porque Tomar precisa de uma ACITOFEBA activa e dinâmica.

1362. OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO

A Comissão de Lojistas do Centro Comercial Templários, em Tomar, vai organizar, de 22 a 27 de Junho, a Feira de Stocks com produtos a preços incríveis, conforme faz questão de sublinhar a organização. Esta é uma oportunidade única para adquirir calçado, vestuário, bijutaria, artigos de decoração, artigos de artesanato, DVD ou videojogos.

Fonte: Rádio Hertz.

1361. AGRADECIMENTO

O Templário publica na sua edição de hoje a resposta do Nabantia a Nuno Garcia Lopes, ainda a propósito da polémica acerca das Conferencias sobre o Surrealismo. A casa agradece essa publicação.

1360. AQUECIMENTO LOCAL

Há o aquecimento global, ao que dizem resultante das alterações climáticas, da poluição e por aí fora e há também o aquecimento local. As autárquicas mexem, oh! se mexem em Tomar. Tenho por certo que este ano os tomarenses vão poder escolher entre independentes livres de dependencias comprometedoras e sem interesses que não os de Tomar e os desgastados independentes com interesses. Aumenta a nervoseira. E não é só nos nos desgastados independentes com interesses. Há mais interesses nervosos.

1359. O PORTAL DE DORNES

"Dornes forma uma península banhada pela Albufeira de Castelo do Bode e teve origem numa igreja mandada construir pela rainha Santa Isabel, num penhasco onde existe uma torre templária. Esta torre pentagonal, de cunhais calcários enquadrando muros xistosos, traçado irregular e única no País, terá sido ou não, edificada sobre o que restava de uma outra atribuída a Sertório, general romano que nasceu pelos anos 122 (?) a.C. e morreu assassinado no ano de 72 a.C."

Assim começa a apresentação do novo portal de Dornes. A visitar.

1358. BRUXARIA

"Com uma expectável vitória do PS, sem maioria, nas Legislativas de Setembro e a expectável vitória de Paulo Fonseca, pelo PS, na Câmara de Ourém, querem os tomarenses que a sua Câmara seja a única dos grandes Concelhos do Médio Tejo (Abrantes, Ourém, Tomar e Torres Novas) a ser governada por um Partido que não é poder em Lisboa? Não perderia Tomar imenso com tal facto?"

Luís Ferreira, n' O Templário.

Comentário: o conhecido socialista tomarense já dispensa eleições e revela dotes de bruxaria política. Para os socialistas nem era necessário perder tempo com maçadas eleitorais. Afinal, pelo menos em Ourém e no país o PS já ganhou... para quê fazer eleições?...

1357. MENÚ

Agenda para o fim de semana, na ressaca do Sto. António e do 10 de Junho:

Sábado, dia 20:
10h30: recital de poesia de Fernando Pessoa para crianças “Fernandinho e outros Pessoas”, pelo grupo O Contador de Histórias na Livraria Nova em Tomar.
10h30: apresentação e visita às obras do Centro de Dia de S. Pedro, Tomar.
13h00: festa de encerramento do ano lectivo no Centro Escolar da Beselga, Tomar.
20h00: 25.º Festival de Folclore da Pedreira, Tomar.
21h30: 14º Sarau de Aniversário do Ginásio Clube de Tomar no pavilhão Municipal de Tomar.

Domingo, dia 21:
10.º aniversário do Centro Social Paroquial Nossa Senhora da Conceição de Paialvo.
21h30: representação da peça de teatro “Técnica” pelo grupo da ESECS na sede da Canto Firme de Tomar.

1356. 18 DE JUNHO DE 1985

Era criada a Região de Turismo dos Templários.

1355. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (99)


O cineasta João Botelho vai filmar, entre domingo e 04 de Julho, em Montalegre, o documentário "Para Que Este Mundo Não Acabe", uma iniciativa anunciada hoje pela Direcção Regional de Cultura do Norte (DRCN) que pretende dar a conhecer a cultura do Barroso. Os municípios de Boticas e Montalegre vão comparticipar a realização do documentário, cuja estreia está prevista para ocorrer no pavilhão multiusos do Parque de Exposições e Feiras de Montalegre, enquadrada num conjunto de conferências e actividades sobre a especificidade cultural da região. A trilogia incluirá "A Terra Antes do Céu", já filmado na região de Vila Real, este "Para Que Este Mundo Não Acabe", a filmar na região do Barroso, e finalmente um terceiro, ainda por preparar, na região do planalto mirandês. Para além do circuito comercial, este DVD contará com uma distribuição nos pontos museológicos, nomeadamente nos ecomuseus da região. A DRCN pretende que o filme sobre o Barroso circule nos festivais de cinema documental, nomeadamente no Festival de Marselha e no DocLisboa, à semelhança do que aconteceu com o último documentário de João Botelho, "A Terra Antes do Céu". De acordo com a sinopse hoje apresentada, "Para Que Este Mundo Não Acabe" revela a história de um "território de picos agrestes e vales férteis, de climas extremos habitado por dramáticas gentes que transportaram até hoje saberes, costumes e comportamentos comunitários notáveis e únicos". Entre estes, destaca o "culto das fontes, das árvores, dos animais e do fogo, vindos dos povos pré-históricos, o fascínio pelas feitiçarias de bruxas, trazidas pelos povos celtas; o respeito religioso pelo Deus de S.Bento a que a ordem de Cister acrescentou a pobreza e o silêncio, num convento tão velho como a nacionalidade portuguesa, e o respeito igualmente religioso pelo Diabo, o das festas e do prazer, o da alegria sem pecado". Tudo isto parece resumido na frase muitas vezes repetida pelas gentes do Barroso: "Deus é bom, mas o diabo também não é mau!".

Fonte: Lusa.

1354. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (98)

O Sol, o Solstício de Verão e o dia mais longo do ano (21 de Junho) estão no centro das Festas Sanjoaninas da ilha Terceira, Açores, que começam sexta-feira e decorrem até 28 de Junho em Angra do Heroísmo. As festas, orçadas em cerca de 1,5 milhões de euros, pretendem “celebrar as festividades pagãs que foram substituídas por outras associadas a S. João Baptista depois da cristianização da Europa”, revelou Miguel Costa, presidente das Sanjoaninas/2009. A rainha das festas deste ano é Mónica Seidi, uma jovem de 24 anos, finalista do curso de Medicina na Universidade de Coimbra e jogadora internacional de basquetebol na selecção nacional. Espectáculos musicais, exposições, actividades desportivas e lúdicas, gastronomia, iniciativas etnográficas e provas de automobilismo integram o programa das festas, que também inclui uma feira taurina, várias vezes considerada a melhor da Península Ibérica. Na área da música, as Sanjoaninas/2009 vão apresentar meia centena de concertos, destacando-se os espectáculos de Carlinhos Brown, Buraka Som Sistema, Angélico, Susana Félix, José Cid, Peter Bailey e Woman in Panic. No automobilismo estão confirmadas 59 inscrições para o Circuito das Sanjoaninas, a contar para a Taça de Ralis da Ilha Terceira, que se disputa sábado numa classificativa de três quilómetros em asfalto. Na vertente gastronómica, as festas vão procurar conciliar tradição e modernidade com a presença de Eddie Melo, natural da freguesia da Agualva, que possui uma vasta experiência como chefe de cozinha em vários países do mundo. Nas Sanjoaninas/2009 vão estar abertos 14 espaços para restauração, dedicados à cozinha tradicional da Terceira, Cabo Verde, Brasil e Bangladesh, além da cidade californiana de Gilroy, ‘irmã’ de Angra do Heroísmo, que vai apresentar o seu famoso Garlic Festival (Festival do Alho). O programa de exposições abrange duas dezenas de artistas locais e do continente, que vão apresentar trabalhos de pintura, gravura, fotografia e arte digital, entre outras áreas artísticas. Gravuras de José Pedro Croft, fotografias de Jorge Barros e pintura abstracta de José Dominguez são algumas das mostras previstas no vasto programa. As festas incluem ainda iniciativas de cariz etnográfico, entre as quais danças de pandeiro e exibições de grupos de folclore, além do tradicional ‘pezinho’ e das ‘cantorias’.

Fonte: Lusa.

quarta-feira, 17 de Junho de 2009

1353. DOS "PROTOCÓIS"

"No passado sábado, Tomar recebeu a presença de Manoel de Oliveira, esse senhor centenário que dispensa mais apresentações. (O nosso presidente de câmara também devia saber isso, especialmente se discursando depois do convidado. Normalmente fala tão pouco, desta vez falou de mais! Continua a faltar na câmara, numa terra que que até diz ser de cultura e vocacionada para o turismo, quem perceba de protocolo)."

Hugo Cristovão, no Algures Aqui.

Caro Hugo, que todos os problemas do ainda presidente da Camara Municipal de Tomar se resumissem à compreensão dos "protocóis", estaríamos todos bem melhor... mas concordo que em certas funções tem de se saber um pouquinho. A agência de comunicação dará formação?...

1352. O ESTADO DO FUTEBOL

A ler este post de Leonel Vicente no Memória Virtual, sobre o estado do futebol português.

1351. UNIÃO NÃO SOBE!

O futebol português é uma ciência oculta. Onde se quer simplicidade tem-se complexidade. Onde se exige clareza, tem-se opacidade. É instintivo que quando o primeiro não quer sobe o segundo. Mas o instinto não abunda pelas bandas da Federação. O U. Tomar não vai subir à 3ª Divisão Nacional. A Federação Portuguesa de Futebol informou ontem a Associação de Futebol de Santarém que não seria a formação tomarense a ocupar a vaga deixada em aberto pelo Riachense. Segundo os critérios da FPF, caberá à associação melhor classificada no ranking nacional a designação da equipa que irá subir. A A. F. S. aceitou a decisão, mas pediu um parecer ao Conselho de Disciplina de forma a clarificar esta situação. Esta notificação por parte da F. P. F. coloca assim um ponto final no impasse que se registava nas últimas semanas. Por estas e por outras é que o futebol português etá tão deacreditado e tem cada vez menos adeptos nos estádios. Nunca se sabe bem se quem ganha, ganha mesmo e se quem perde, perde mesmo.

Fonte: O Templário, via Tomar.

1350. FENÓMENOS

Chegou-nos aos ouvidos que os Independentes por Tomar andam a tentar desmotivar outras eventuais candidaturas. Parece que andam nervosos. Bem se podem juntar às outras nervoseiras em curso na autarquia. A do PSD, que mais parece não ter candidato (será que tem mesmo?...) e a do PS, que pese a simpatia e abertura do candidato, não só não descola como vê abater-se a onda nacional de descrédito do Governo sobre a sua cabeça. Antigamente era o Entroncamento a terra dos fenómenos. Agora parece que é Tomar. Imaginem só onde é que independentes podem ter medo de outros independentes? Em Tomar, pois claro. Bastam uns simples rumores de que os Independentes que já existem não terão o monopólio das independencias nas próximas eleições autárquicas para as mentes se toldarem. De que terão medo, eles?...

terça-feira, 16 de Junho de 2009

1349. HOMENAGENS E ESQUECIMENTOS

Eu sou a favor de homenagear em vida. Quem gostar gosta, quem não gostar que vá andando. E acho muito bem que a Camara Municipal de Tomar homenageie os tomarenses que se distinguem em qualquer valência da vida pública portuguesa. Sou, por isso a favor da homenagem a Rui Salvador, cavaleiro tauromáquico de que Tomar se orgulha e bem. Mas já vamos em Junho. Estamos a seis meses de 2009 e a menos de um ano da data em que se comemoram 850 anos da fundação da cidade de Tomar por D. Gualdim Pais. É verdadeiramente lamentável que nem Corvelo de Sousa (aqui não espanta, já que parece que os Templários e a sua sucessora Ordem de Cristo são malquistos pelo ainda presidente da Camara), nem qualquer vereador social-democrata, socialista ou independente tenha tido até agora a ousadia, o assombro, o cometimento, o frémito intelectual por mais leve que seja, de apresentar uma proposta, uma ideia, uma formalidade que seja, para começar a preparar condignamente a data. Mas quem nasce para dez, não pode dar cem...

1348. O BONECO ROUBADO

Nicolau, procura-se!

1347. RUI SALVADOR


Por proposta do presidente da Câmara de Tomar, Corvêlo de Sousa, o Executivo decidiu homenagear o cavaleiro tauromáquico tomarense Rui Salvador no ano em que comemora 25 anos de alternativa. Para organizar a homenagem foi nomeada uma comissão constituída por Costa Rosa, Bento Batista, Fernando Hilário, Carlos Alberto e Lídia Salvador.

Fonte: O Templário.

1346. OPORTUNO E JUSTO


Hoje, na Galeria Templários, a Federação Portuguesa de Futebol, a Câmara Municipal de Tomar, o Instituto Politécnico de Tomar e a Turismo de Lisboa e Vale do Tejo homenageiam na próxima terça-feira José Torres, velha glória do futebol português.

1345. AS CONFUSÕES DO COSTUME

Não deve existir maior confusão do que a da organização dos campeonatos de futebol pela Federação Portuguesa de Futebol, que se projecta para os distritais. Todos os anos se repetem as incertezas de quem desce e de quem sobe. Uma bagunçada. O Fazendense admite deixar a Divisão de Honra caso se confirme o cenário de um campeonato com 13 clubes, face à recusa do Riachense e ao cenário quase impossível de se concretizar em torno da subida do U. Tomar aos nacionais.

Fonte: Rádio Hertz.

1344. A DESPAIVIZAÇÃO

Vai demorar tempo e vai custar dinheiro. É a mais do que necessária despaivização de Tomar. Obras mal feitas, birras prenhes de prejuízo, ideias cheias de atraso económico. Qualquer lado é bom para começar. Oxalá venha a tempo.

1343. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (97)

Os peixes do rio são um petisco transmontano que há muito atrai forasteiros à Foz do Sabor, em Torre de Moncorvo, para provar uma especialidade que é motivo, pela primeira vez, de um festival gastronómico. Durante quatro dias, entre quinta-feira e domingo, vai ser possível apreciar as diferentes iguarias assadas ou fritas, em que se destacam os minúsculos peixinhos do rio ou as migas, uma espécie de açorda transmontana confeccionada com a calda do peixe cozido. A iniciativa, hoje anunciada, é das associações de desenvolvimento do Douro Superior e Comercial de Torre de Moncorvo, que pretendem com o primeiro festival de Migas e Peixes do Rio projectar um produto gastronómico que ganhou tradição entre as populações ribeirinhas do Douro, Sabor e Côa. A pesca foi durante gerações um complemento para os agricultores da zona, que iam de terra em terra vender os apreciados peixes do rio. A localidade de Foz do Sabor, com menos de 100 habitantes, ganhou destaque nesta actividade, transformando-se numa aldeia piscatória no interior do país e em destino dos apreciadores dos peixes do rio que ali se deslocam propositadamente para patuscadas à base destas iguarias. Aos três restaurantes da aldeia juntam-se outros que, durante os quatro dias do festival, servirão os diferentes pratos numa iniciativa que, além da gastronomia pretende também promover a paisagem, aproveitando o local de veraneio da praia fluvial do Sabor. Os visitantes podem também participar em concursos relacionados com a temática, nomeadamente, um concurso de pesca, sábado, ou o de pratos de peixe, domingo. O festival é animado com música popular e convida também os visitantes a fazerem um cruzeiro no rio Douro, com embarque no Pocinho até à Foz do Sabor e a participar em passeios de barco, gaivotas e bicicleta.

Fonte: Lusa.

segunda-feira, 15 de Junho de 2009

1342. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (96)

O projecto de ensino artístico de Belgais criado pela pianista Maria João Pires, "vai fechar devido a um arresto de bens e à falta de apoios", disse hoje à Agência Lusa uma das responsáveis. Segundo Joana Pires, filha da pianista e responsável pelo Centro de Estudo das Artes de Belgais, após o encerramento da escola do primeiro ciclo da Mata e do Coro Infantil, "não deve restar nada do projecto de Belgais iniciado pela minha mãe". Joana Pires revelou que os subsídios do Ministério da Educação (única fonte de financiamento) bem como o mobiliário e instrumentos da escola "estão arrestados".

Fonte: Público.

1341. UM FUNDO SEM POÇO?...

O Diário da República publica hoje o decreto-lei que cria o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural, com um capital inicial de cinco milhões de euros, destinado a dar mais meios de intervenção ao Estado no património. O fundo destina-se a financiar medidas de protecção e valorização em relação a imóveis, conjuntos e sítios integrados na lista do património mundial e a bens culturais classificados ou em vias de classificação como de interesse nacional ou público em risco de destruição. Segundo o decreto-Lei, o fundo destina-se ainda a acudir a situações de emergência ou de calamidade pública em relação a bens culturais classificados ou em vias de classificação e a financiar obras de operações de reabilitação, conservação e restauro de imóveis classificados no âmbito do Programa de Gestão do Património Imobiliário do Estado. Financiar a aquisição de bens culturais classificados ou em vias de classificação, através do direito de preferência pelo Estado ou de expropriação, e prestar apoio financeiro a obras ou intervenções ordenadas pela Administração Pública em relação a bens culturais classificados são também objecto do fundo. Na altura da criação do Fundo, em Março último, o ministro da Cultura disse que a criação do fundo visou a intervenção e salvaguarda de forma mais eficaz o património cultural. "Este instrumento financeiro dá corpo desde já à resolução do Governo que estabelece em matéria de programa de gestão do património imobiliário do Estado a criação (que deveria ser feita até 30 de Junho) de um fundo que venha a receber essas receitas", indicou Pinto Ribeiro. Além destas receitas, integrarão também o novo fundo as doações, os donativos em obra ou em espécie no âmbito do programa 'Cheque Obra', que o Ministério da Cultura celebrou recentemente com um conjunto de associações empresariais, em particular com empresas dos sectores da construção civil e das obras públicas.

Fonte: Público.

1340. CONVOCA-SE SHERLOCK HOLMES A TOMAR (2)

1339. CONVOCA-SE SHERLOCK HOLMES A TOMAR (1)

1338. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (95)

A investigadora Salwa Castelo-Branco apelou hoje à necessidade de criação de um arquivo sonoro nacional, no âmbito de um colóquio sobre património imaterial, a decorrer na Assembleia da República, em Lisboa. Salwa Castelo-Branco, directora do Instituto de Etnomusicologia - Centro de Estudos em Música e Dança da Universidade Nova de Lisboa, afirmou que Portugal é "dos raros países na Europa que não tem um arquivo sonoro nacional".

Fonte: Lusa.

1337. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (94)


O presidente da Câmara de Tarouca, Mário Ferreira, disse hoje acreditar que o dormitório do mosteiro de S. João de Tarouca será transformado em unidade hoteleira, como reclama uma petição subscrita por perto de onze mil pessoas. Juntamente com o vice-presidente e vereadores da Câmara, o presidente da Assembleia Municipal e membros da Junta de Freguesia de S. João de Tarouca, Mário Ferreira (PS) esteve recentemente numa audição na Comissão de Assuntos Económicos, Inovação e Desenvolvimento Regional e mostrou-se satisfeito com os avanços do processo. "A comissão parlamentar considera que o projecto reúne todas as condições para ter viabilidade económica e que é de interesse para a região e para o país e vai encaminhar o relatório para o ministro da Economia, para que este se pronuncie", contou. Segundo Mário Ferreira, a comissão parlamentar entende que a reconversão do dormitório em unidade hoteleira deve ser reconhecido como Projecto de Interesse Nacional (PIN). "O ministro terá de dar parecer mas, independentemente de qual for, a reconversão do dormitório será discutida em plenário na Assembleia da República", acrescentou. O autarca frisou que a reconversão do dormitório, mantendo os traços da arquitectura original, é "uma grande mais valia para a região do Douro" e uma obra "muito necessária para Tarouca", concelho com pouca capacidade hoteleira. Desta forma, os milhares de turistas que anualmente percorrem os socalcos do Douro vinhateiro "poderiam dormir no lugar onde séculos antes os monges de Cister repousaram", gerando riqueza a nível local e regional. A petição enviada ao presidente da Assembleia da República a pedir que "reconheça como de interesse para Portugal" a reconversão do dormitório em unidade hoteleira e que "recomende aos órgãos de soberania competentes a adopção das medidas legislativas e regulamentares necessárias à concretização deste projecto" foi subscrita por 10895 pessoas. O Mosteiro de S. João de Tarouca - o primeiro da Ordem de Cister a ser construído em Portugal (século XII) - está sob a responsabilidade do Instituto de Gestão do Património e Arqueológico (IGESPAR), sendo o seu dormitório apenas constituído por quatro paredes. Na petição, é referido que o Mosteiro de S. João de Tarouca "foi objecto de obras de recuperação, suportadas pela administração central, proprietária do espaço, recebendo anualmente milhares de visitantes". "Pensamos, no entanto, que S. João de Tarouca tem mais para oferecer, pelas características do local, em termos paisagísticos e naturais", acrescenta, lembrando que foram essas "especiais características, de algum isolamento e silêncio, de proximidade ao rio e à montanha, que levaram os monges de Cister a escolher este lugar mágico para se fixarem em Portugal". O documento acrescenta que, à semelhança dos monges, muitas pessoas "valorizam a possibilidade de desfrutarem de momentos de contacto com a natureza e de recolhimento espiritual, fugindo ao ruído da vida moderna", mas que, no entanto, falta no Douro "um espaço de acolhimento desses potenciais visitantes, com condições de qualidade e conforto, que proporcione dias diferentes de lazer e de ocupação dos tempos livres".

Fonte: Lusa.

1336. IPT DISTINGUIDO

Quatro instituições de Ensino Superior portuguesas receberam na quinta-feira passada, rótulos europeus de qualidade especiais em reconhecimento dos seus esforços no sentido de facilitar aos estudantes a possibilidade de estudar no estrangeiro. As universidade de Aveiro, do Minho, Técnica de Lisboa e o Instituto Politécnico de Tomar estão entre as 65 instituições de Ensino Superior de 16 países europeus que demonstraram «excelência» na aplicação do Sistema Europeu de Transferência e Acumulação de Créditos (ECTS) e do Suplemento ao Diploma (DS).

Fonte: TSF

1335. CANDIDATO, PROCURA-SE

Nos últimos dias tem sido possível ver o candidato socialista permanentemente na rua, já em campanha. Também os Independentes por Tomar abriram a sede de campanha na Corredoura para recolher as assinaturas necessárias. O candidato do PSD ou foi a banhos ou encontra-se em parte incerta...

1334. TOMARa NÓS!

Uma das coisas boas da feriadesca é descobrir locais que não conhecíamos antes. Aconteceu-me num desses feriados (já nem me recordo qual, tantos foram...). Fui jantar ao agradabilíssimo Calça Perra. Bom ambiente, boa comida, bom serviço. E uma descoberta. A revista de distribuição gratuita Tomara Nós!. Uma revista que vai no nº 2, editada pela Justo Realce - Comunicação e Eventos, uma agencia de comunicação, e que tem um blogue e tudo. Neste segundo número merecem destaque as memórias tomarenses de Rui Salvador e uma digressão por restaurantes e bares de Tomar.

1333. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (93)

Normalmente acontece no final das legislaturas. Portugal tem mais 22 novas vilas e cinco cidades, situadas nos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Leiria, Santarém, Lisboa, Évora e Faro. No total foram aprovadas no Parlamento 27 alterações na classificação das cidades e vilas portuguesas. Foram elevadas a cidade as localidades de Valença (Viana do Castelo), Senhora da Hora (Matosinhos), S. Pedro do Sul (sede do concelho), Samora Correia (Benavente) e Borba (Évora). À categoria de vilas passaram as localidades de Castro Laboreiro (Melgaço) e Soajo (Arcos de Valdevez), ambas no distrito de Viana do Castelo, Arões de S. Romão (Fafe), no distrito de Braga, Lordelo, distrito de Vila Real, e Ancede (Baião), Guifões (Matosinhos), Vilarinho (Santo Tirso), Senhora Aparecida (Lousada) e Madalena (Vila Nova de Gaia), todas no distrito do Porto. No distrito de Aveiro passaram à categoria de vila as povoações de Soza (Vagos) e Valongo do Vouga (Águeda), enquanto o distrito de Coimbra viu subir a vila as localidades de S. Pedro, Marinha das Ondas, Lagos e Tarazede, todas no município da Figueira da Foz. O Parlamento aprovou também a elevação a vila das povoações de Foz do Arelho e À-dos-Francos, ambas nas Caldas da Rainha, distrito de Leiria, e Olival (Ourém), distrito de Santarém. Passaram ainda a vila as localidades de Prior Velho (Loures), Casal de Cambra (Sintra) e Montelavar (Sintra), no distrito de Lisboa, e Bensafrim (Lagos), distrito de Faro. De acordo com a legislação, salvo "importantes razões de natureza histórica, cultural e arquitectónica", uma localidade pode ser elevada à categoria de cidade de tiver mais de oito mil eleitores e pelo menos metade dos seguintes equipamentos: instalações hospitalares, farmácias, corporação de bombeiros, casa de espectáculos e centro cultural, museus e biblioteca, instalações de hotelaria, estabelecimento de ensino preparatório e secundário, estabelecimento de ensino pré-primário e infantários, transportes públicos e parques ou jardins públicos. Já para ser elevada a vila uma localidade tem de ter mais de 3 mil eleitores em aglomerado populacional contínuo e pelo menos metade dos seguintes estabelecimentos: posto médico, farmácia, casa do povo, dos pescadores, de espectáculos, centro cultural ou outras colectividades, agência bancária, transportes públicos colectivos, estação dos correios, estabelecimentos comerciais ou de hotelaria e uma escola pública.

domingo, 14 de Junho de 2009

1332. DIÁRIO (18)

Visitar o admirável mundo da fantasia que acabou hoje, o Tomarlego, e viagem de ida e volta a Lisboa, com uma auto-estrada só para mim no sentido Lisboa-Porto.

sábado, 13 de Junho de 2009

1331. SURPRESA

O prometedor blogue Cidadão de Tomar foi desactivado?!...

sexta-feira, 12 de Junho de 2009

1330. 2º TOMARLEGO

(Foto)

1329. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (92)

As inaugurações da “Cidade Imaginária”, do escultor Charters de Almeida, e da exposição “Antevisão do Museu Ibérico de Arqueologia e Arte”(MIAAA), assinalam domingo, em Abrantes, o Dia da Cidade. Elevada a cidade a 14 de Junho de 1906, as comemorações deste ano são “marcadas pela temática da cultura, com dois momentos que visam posicionar Abrantes na rota dos grandes destinos culturais, científicos e pedagógicos”, afirmou Nelson de Carvalho, o presidente da autarquia. Segundo o autarca, o escultor Charters de Almeida inaugura domingo a "Cidade Imaginária", uma escultura de grandes dimensões, com 27 metros de altura e orçada em 250 mil euros, erguida na zona do Aquapolis – Parque Urbano Ribeirinho, “junto a um dos locais onde a cidade de Abrantes tem o seu imaginário ligado: o rio Tejo”. “Abrantes entra na rota das cidades imaginárias de Charters de Almeida, esculturas de grandes dimensões que tem espalhadas um pouco por todo o mundo, e que, neste caso, significa a conquista do rio pela cidade, com a criação de um espaço ribeirinho há muito imaginado”, referiu o autarca. Para Nelson de Carvalho, “outro momento alto” será a inauguração da Exposição de Antevisão do MIAAA, uma exposição itinerante que representa o seu “primeiro grande acto promocional”.
Com um investimento estimado de 12,5 milhões de euros, o MIAAA vai acolher o espólio arqueológico da Fundação Ernesto Estrada, “uma colecção de objectos arqueológicos recolhidos em vários pontos da Península Ibérica ao longo de meio século” por João Estrada, com um centro de investigação, auditório e exposições temporárias e permanentes, “para além de albergar a colecção de arte contemporânea de Lucília Moita e a colecção legada pelo escultor Charters de Almeida”. “Trata-se de uma exposição que mostra uma pequena parte das peças que vão constituir as colecções do futuro Museu, nomeadamente as que incluem peças muito importantes no contexto histórico e patrimonial do antigo espaço que hoje conhecemos como Península Ibérica, mas também peças da história grega, romana, fenícia e egípcia”, sublinhou. “Nesta colecção encontramos muitas peças com a escrita tartéssica e que vamos querer decifrar no nosso centro de investigação, que será coordenado por Luís Oosterbeek”, director ciêntífico do Museu de Arte Pré-Histórica de Mação, referiu.

Com projecto do arquitecto Carrilho da Graça, já aprovado pelo Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, o futuro Museu Ibérico de Arqueologia e Arte de Abrantes ocupará o Convento de S. Domingos, no centro histórico da cidade, o que, segundo o autarca, “permitirá uma afirmação cultural muito forte no contexto regional, nacional e internacional, além da criação de um grande centro cultural que complementará as várias funções do centro histórico, como as residenciais, administrativas e comerciais”. Com inauguração prevista “até 2013”, Nelson de Carvalho afirma que o MIAAA será um Museu ”central” na região e que se “juntará a um conjunto de património edificado na orla da Grande Lisboa”. “O Museu Ibérico de Abrantes permitirá reforçar este ‘arco patrimonial’, que inclui Sintra, Alcobaça, Batalha, Mafra, Óbidos, Tomar e Almourol, para além de uma integração que pretendemos efectuar ao nível da Rede Europeia de Museus”, concluiu.

Fonte: Lusa.

quinta-feira, 11 de Junho de 2009

1328. PELOS CAMINHOS DE PORTUGAL (91)

A Feira Agrícola dos Açores abriu hoje, na Quinta de S. Lourenço, na cidade da Horta, dispondo já do pavilhão multiusos que há muito era reivindicado pelos empresários da ilha açoriana do Faial. A feira, que decorre até domingo, conta pela primeira vez com esta infra-estrutura coberta, com cerca de 1.500 metros quadrados, onde vão decorrer os concursos e provas de gado, cavalos e cães que caracterizam este evento.

Fonte: Lusa.

quarta-feira, 10 de Junho de 2009

1327. RÉPLICA A NUNO GARCIA LOPES

Nuno Garcia Lopes em longo texto publicado na edição de ontem de O Templário responde a um post do Nabantia sobre as Conferencias sobre o Surrealismo promovidas pela Camara Municipal de Tomar na Casa dos Cubos. Este texto, que agradeço pela distinção pessoal que encerra e pela polémica sadia que propicia, merece-me os seguintes comentários:

1º Registo com satisfação que Nuno Garcia Lopes reconhece que o anonimato do Nabantia não é uma arma de difamação. Não é mesmo. Quando aqui se critica alguém faz-se exclusivamente do ponto de vista das suas atitudes públicas e essas são permanentemente escrutináveis, em toral liberdade de opinião. O anonimato, quando não serve para a porcaria, é legítimo. Se não teríamos também de ser contra os pseudónimos, o que seria anti-cultural... Foi uma opção que fiz e manterei, embora compreenda a curiosidade de todos quantos gostariam de conhecer a identidade do autor destas humildes linhas.

2º Nuno Garcia Lopes diz que eu me equivoquei e que não estavam três assistentes nas Conferencias, mas não diz quantos estavam. Esclarece que só funcionários da Camara eram mais, mas também não diz quantos. Assim é fácil contestar-se, assim a modos que "ah e tal isso não é verdade mas eu não sei dizer a verdade"... E eu, que não sei, pergunto: será que mandaram chamar funcionários da Camara à última da hora para compor a plateia? Se calhar ao princípio eram mesmo três ou não?... Enfim, sempre se reconhece que as presenças ficaram aquém das expectativas. Já é alguma coisa.

3º Registo que sobre o custo da iniciativa também Nuno Garcia Lopes não sabe responder. Sabe responder sobre o custo de outras iniciativas relativamente às quais nunca me pronunciei e agradeço essa informação. Mas compreenderá que num tempo de profunda crise social e económica como a que vivemos faça sentido saber onde se gasta o nosso dinheiro. Não é ofensa. Sobretudo quando se trata de uma Camara que habitualmente o desbarata em coisas mal feitas e em indemnizações judiciais resultantes de mera incompetência de gestão.

4º Agora um ponto mais importante: também concordo que seria uma desgraça se estivéssemos à espera das instituições públicas para promover iniciativas culturais. Até digo mais: eu acredito é na cultura feita por cidadãos e instituições civis. Questão bem diferente é a de saber se a Camara Municipal deve ou não ter uma estratégia de criação de condições para que as iniciativas privadas da cultura floresçam e aí mantenho que sim e que a Camara Municipal de Tomar não tem. Vai fazendo e apoiando coisas sem fio condutor, sem nexo entre si, numa política de eventos (horrível vocábulo...), como agora desgraçadamente se diz, muitas vezes aberrante, como foi o caso de comemorar o Dia Internacional dos Museus com uma largada de papagaios! E, caro Nuno Garcia Lopes, garanto-lhe que sei mais do que digo e que sei inclusivamente como foram tratadas e travadas pela Camara iniciativas empreendedoras de jovens tomarenses apenas pelo medo que quem decide tem de decidir e que é responsável pelo atraso de Tomar em várias frentes!

5º E digo mais, essa estratégia que defendo que a Camara deve ter não pode estar desligada da história de Tomar, dos seus símbolos e da sua identidade, que aliás se projecta como parte essencial da história e da identidade nacionais. Pena que os responsáveis da Camara desprezem essa história e até a destruam, como é o caso da trágica desfiguração do centro histórico de Tomar.

6º Sobre a sensibilidade cultural de Fernando Corvelo de Sousa não me pronuncio porque não o conheço pessoalmente. Das declarações que tem feito e só me interessa a sua actuação pública e não os seus gostos pessoais, concluo que que não está à altura da função que exerce porque nega precisamente a mais valia histórico-cultural de Tomar. Mas também digo que nestas coisas, sensibilidade não basta. Eu também tenho muita sensibilidade para o futebol e seguramente que não me passa pela cabeça ser contratado para jogar no Benfica, nem ser treinador da selecção nacional... Mas cada um avalia as suas próprias limitações. Por mim, reafirmo que a Camara Municipal de Tomar não tem visão nem estratégia que permita criar as condições para fazer de Tomar uma capital portuguesa da cultura, como tem todas as condições para ser e com as consequências sociais e económicas que adviriam dessa estratégia.

Post-Scriptum: agradeço, sensibilizado, as amáveis palavras solidárias de Sebastião Barros, no Tomar a Dianteira, sobre esta polémica.