quinta-feira, 11 de setembro de 2008

465. ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS: CORRECÇÃO (7)

Hugo Cristovão, a quem agradeço a atenção, comenta a análise feita relativamente ao PS, corrigindo uma afirmação minha. Jorge Lacão não é o líder distrital de Santarém do PS. Actualmente é António Rodrigues, Presidente da Camara Municipal de Torres Novas. A todos, PS, Jorge Lacão e António Rodrigues, as minhas desculpas. Mas que Jorge Lacão influencia as decisões estratégicas do PS no distrito, é opinião minha que o Hugo desculpará que eu mantenha. Quanto à segunda parte do comentário, só confirma o que eu afirmei quanto à dificuldade que as estruturas locais dos partidos têm de aceitar candidatos a autarcas que não sejam recrutados localmente. Mas compreendo a sua posição, que, dado o cargo que ocupa, não podia, aliás, ser outra. E não excluo, por princípio, que algures aqui o PS tenha candidato...

1 comentário:

Hugo Cristóvão disse...

Caríssimo,
Para que fique bem claro, devo reforçar que a questão não está no candidato ser de fora, mas sim que a decisão seja tomada localmente. Mal estaríamos se assim não fosse.
Quanto ao ser de fora, se fizer um esforço de memória até às últimas autárquicas, lembrar-se-á de alguns boatos que apontavam para o PS possíveis candidatos “vedetas de Lisboa”, que se calhar não eram assim tão boatos…

De qualquer forma, não deixa de ser mau sintoma para um concelho a necessidade de recorrer a candidatos de fora, e depois, convenhamos, Tomar não é lá dos concelhos mais aliciantes… E por isso “estrangeiros” que venham para cá, só tipo António Paiva…

De qualquer forma, quanto ao PS já é público que dia 5 de Outubro a decisão definitiva será tomada. Acabar-se-ão as especulações que só interessam mesmo a alguns.

Quanto à “provocação” com que termina o post, não vá por aí! Se não for por mais nada, será o facto de que tudo tem o seu tempo, e devemos sempre perceber qual é o nosso. Em Tomar, cidade cada vez mais “velhinha” e conservadora, esse tempo tem mostrado tendência para ser especialmente maturado, assim ao jeito de “bem passado”… :) É um sinal, talvez infeliz, do concelho que somos.

cumprimentos